Atualmente, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) tem sido um dos principais temas de discussão para empresas que, em seus processos, armazenam os dados de seus clientes. Ou seja, é muito provável que a lei impacte na maioria das empresas e segmentos de negócio.

 

Os prejuízos e riscos relacionados a incidentes de segurança da informação, apresentaram um aumento significante com o passar do tempo e com o avanço digital, como explica o estudo Data Breach Report 2020, realizado pela IBM. Se você ainda não viu, pode ler aqui .

 

No Brasil, a LGPD já é uma realidade. Aprovada no mês de agosto de 2020, a lei ainda é um desafio no cotidiano de empresas que ainda não se adaptaram ou implementaram as normas exigidas pela LGPD.

 

Em seu contexto, a lei prevê as boas práticas que as empresas devem adotar para não sofrerem as consequências. Algumas delas, são: finalidade e adequação, necessidade e transparência ao lidar com os dados dos usuários. O não cumprimento das normais legais, pode acarretar em advertências e multas que chegam até 2% do faturamento da empresa, limitada até 50 milhões de reais. Contudo, outros prejuízos também estão em questão, como a má reputação da empresa ou a perda de confiabilidade.

 

Sabemos que na teoria o entendimento é muito mais simples comparado à prática. Então, para te guiar na implementação, vamos explicar um pouco melhor sobre este processo.

 

Olhar para o processo e fluxo da sua empresa é o ponta pé inicial para a implementação das exigências. Em outras palavras, é necessário definir fluxos de tratamento dos dados pessoais. Para isso acontecer da melhor forma, é essencial que o fluxo seja desenhado de acordo com as necessidades e demandas de cada negócio.

 

O processo de gestão do consentimento também é uma das práticas exigidas. A LGPD, exige que o usuário tenha clareza sobre a finalidade dos seus dados fornecidos. Entre as normas exigidas, o descarte dos dados também deve passar por um processo estabelecido conforme as práticas de segurança.

 

O que, e quem pode oferecer suporte para a sua empresa se enquadrar nas exigências? Soluções de Security propostas após uma análise minuciosa e consultoria dos processos de cada cliente, com foco na proteção e privacidade dos dados pessoais.

 

Um profissional de Data Protection Office, conhecido como DPO, também é indicado para assegurar os processos e propor melhorias contínuas para a sua empresa.

Conhecer as soluções de Security