Skip to main content

Você já conhece a indústria de NFT? Ela começou a se popularizar em 2020, chegando a crescer mais de 300% em menos de um ano, além de também movimentar mais de 23 bilhões de dólares em 2021, de acordo com a Forbes. 

Assim, os tokens não fungíveis (NFTs) ou colecionáveis digitais se popularizaram mundialmente. E mesmo com o número de carteiras ativas caindo, o mercado ainda lucra milhares de milhões de dólares em criptomoedas.

Obviamente, essa movimentação não passa despercebida pelos cibercriminosos, que continuam elaborando novos tipos de golpes virtuais. A falta de uma regulamentação no mercado de NFTs também facilita a ação de crimes.

Por isso algumas empresas já buscam formas de contornar essa situação, criando carimbos de autenticação, por exemplo. Neste artigo estão reunidas informações importantes  sobre NFTs, o que são, como esse mercado funciona, os principais golpes envolvendo NFTs e como evitá-los. Aproveite a leitura!

O que é NFT?

NFT é a sigla para “Non-fungible Token”, que significa  “Token não fungível”, em tradução livre. Trata-se de um item único, que demonstra propriedade sobre um ativo digital ou um ativo do mundo real.

Apesar de um grande boom ter ocorrido por conta da atratividade pelas artes digitais, os NFTs não estão apenas reduzidos à arte. Qualquer arquivo pode ser um NFT, como por exemplo um vídeo, um domínio, ingressos para shows, álbuns de música, skin de jogos, entre outros. 

Para entender o que são NFTs na economia, é preciso lembrar que eles não são únicos, e por isso são intercambiáveis. Imagine uma moeda de R$ 1. Se você trocá-la por outra, continuará com o valor de R$ 1. Por isso ela é um bem fungível (pode ser substituído por outro de mesmo valor ou quantidade).

Mas se você tem uma obra de arte valiosíssima, que é objeto de busca por muitos colecionadores e museus do mundo, e trocá-la por outra, terá um valor diferente, que pode não ser equivalente ao que foi pago pela obra anterior. 

Assim, este é um caso de bens não fungíveis. Porque nesta troca, você acaba com um resultado diferente da sua posição de saída, já que a obra de arte que você trocou não é igual ao novo produto. 

Portanto, seguindo este exemplo, pensamos no conceito dos NFTs, que são como um tipo de assinatura digital para qualquer tipo de mídia. Pode ser um JPEG, PNG, GIF, etc.. 

Se você criar um meme famoso e mais de uma pessoa começar a utilizá-lo,  você pode ligá-lo a um NFT. Isso garante que você é o autor da cópia original deste material.

Dessa forma, o NFT assume que há alguma demanda comercial pela cópia original deste meme, levando um interesse maior a esta busca. 

Por isso muitas pessoas começam a investir neste mercado de “bem” digital com atestado de “originalidade”. Os NFTs são verificados por blockchain, que transformam as mídias digitais únicas em originais perante cópias comuns.

Como funciona o mercado de NFT?

O funcionamento dessa tecnologia não difere muito do sistema existente do blockchain por trás das criptomoedas. 

Os padrões de criptografia foram criados para comercializar um ativo digital único online. Isso permite a geração de tokens únicos em toda a sua existência, que não podem ser substituídos ou destruídos.

Um exemplo deles é o ERC-721, usado na rede Ethereum para comercializar obras famosas de criptoarte. Com a aplicação desse token não fungível, o arquivo se transforma em um item colecionável e raro.

Isso só é possível por causa da grande quantidade de segurança de informações armazenadas na cadeia. Dessa forma, um grande mercado em torno de NFTs cresceu.

Diferente do Bitcoin, onde os usuários podem minerar essas moedas digitais com o restante da rede, ter um NFT – que também podem ser definidos ou gerados por qualquer um – não significa que ele pode ser atrelado e assim ter valor de mercado suficiente para ser trocado por outro de quantia econômica igual. 

nft

Conheça alguns golpes comuns com NFT

Existem diversos golpes com NFT que se tornaram comuns entre os cibercriminosos  e acabaram vitimando diversos usuários.

Veja a seguir uma lista com os principais. 

Perfis falsos, o chamado ‘catfishing’

Com o grande volume de venda de NFTs no campo virtual, o marketing costuma ser feito nas redes sociais. E é aí que surge o catfishing. O termo é usado quando uma pessoa cria uma ou várias identidades virtuais falsas para enganar os demais usuários. 

A contratação de pessoas famosas, como atores e influenciadores, é um cenário comum nas comunidades populares de NFT, então é difícil saber quando um artigo é real e quando não é. Por isso, é preciso ficar atento. 

Golpes com phishing e pop-ups suspeitos

É preciso criar uma conta em uma carteira digital para conseguir comprar seu primeiro NFT. Esse cadastro permite as transações na blockchain da Ethereum. 

Mas há relatos de golpes de phishing envolvendo anúncios falsos que pediam as chaves das carteiras ou frases de segurança. 

E também há os falsos pop-ups operando no Discord, Telegram e em outros fóruns públicos. Eles levam a páginas de logins aparentemente verdadeiras. Mas nelas o criminoso tem acesso a informações pessoais. 

Esquemas “pump and dump”

Os esquemas de “pump and dump” estão cada vez mais recorrentes no mundo das criptomoedas e dos NFTs. Nesta prática, um grupo de pessoas compra vários NFTs ou criptomoedas, causando um aumento artificial da demanda. 

Depois disso, os participantes vendem as criptomoedas quando os preços sobem e deixam os outros com ativos que não valem nada.

Nessa prática, o usuário compra tokens não fungíveis como um investimento,onde suas chances são melhores quando o projeto tem mais compradores e, portanto, mais liquidez. 

NFT falsificado ou plagiado

Vale lembrar que ter um NFT não é o mesmo que ter a propriedade intelectual do arquivo, como uma foto. O software da OpenSea permite que qualquer pessoa transforme uma foto ou imagem em um NFT, mesmo que não se tenha o direito autoral.

Por isso, golpistas e criminosos conseguem facilmente roubar as obras de um artista e abrir uma conta falsa na OpenSea. 

Golpes de lances

Na maioria das vezes, esses golpes acontecem no mercado secundário, após a compra de  um NFT, onde em seguida querem vendê-lo a quem pagar mais. 

Mas ao colocar o token à venda, as pessoas interessadas podem trocar a criptomoeda usada sem avisar.

Dicas para evitar golpes com NFT

Após conhecer os golpes, é importante conhecer formas de manter a segurança de sua empresa. Por isso, abaixo separamos algumas dicas para se proteger dos golpes com NFT. Veja!

  • Se o preço do NFT estiver muito abaixo do normal, desconfie;
  • Veja se o vendedor/cobrança é verificado, que é a marca de seleção azul ao lado do nome de usuário na rede;
  • Identifique se o endereço de contato do NFT está alinhado com o do site do criador;
  • Verifique se um site é uma farsa com ferramentas úteis. Para isso, vá à página inicial do Scamadviser e digite o endereço que quer verificar. 

Conheça a Think IT

Para a melhor prevenção aos ataques spear phishing e outros riscos à cibersegurança, a Think IT é a solução para você.

Somos uma empresa especializada em oferecer as soluções de TI que o seu negócio precisa. Para isso, ela conta com uma equipe de profissionais capacitados, que estão aptos a oferecer serviços como, por exemplo: 

  • Security;
  • Cloud;
  • Edge Computing;
  • Outsourcing;
  • Data Center;
  • Hardware;
  • E-learning.

É possível encontrar um escritório da Think IT na cidade de São Paulo, em Porto Alegre e no Rio de Janeiro. Caso não possa ir até um deles, a empresa está pronta para atender você remotamente e sanar as suas dúvidas. 

Conte com a Think IT para ter um banco de dados adequado para o seu negócio ou até para fazer possíveis ajustes que você precisar. 

Conclusão

As experiências do NFT contribuem para a melhor distribuição de diversos tipos de conteúdo, já que garantem o registro de originalidade do arquivo.

Conhecer todos os benefícios e como funciona a NFT, além de se proteger contra golpes, é um importante passo para aumentar a segurança das informações de sua empresa. E a Think IT te ajuda nessa estratégia. Acesse o nosso site e conheça mais!

Por falar nisso, que tal conhecer quais os primeiros passos para proteger os dados da sua empresa?