Skip to main content

As criptomoedas se tornaram uma opção de lucro para muitas pessoas no mercado financeiro. Contudo, como todas as transações, ela nem sempre é 100% segura, por causa de algumas falhas de segurança que podem ocorrer no Blockchain. Mas o que seria isso?

Blockchain é uma espécie de banco de dados que registra as transações realizadas por criptomoedas e outros ativos digitais. O surgimento de fraudes contra esse sistema também foi proporcional ao crescimento do mercado de criptomoedas, um nicho que vem se desenvolvendo em ritmo acelerado.

Como a criptografia nem sempre é segura e não existe ‘estorno’ no Blockchain, as criptomoedas se tornam os  alvos principais de criminosos.

Chamados de crypto scams, os crimes relacionados ao blockchain consistem em obter o acesso às carteiras digitais e suas chaves de segurança para conseguirem roubar as criptomoedas. Mas, como se proteger?

Pensando nisso, elaboramos este artigo para explicar o que é Blockchain, os riscos envolvendo criptomoedas e maneiras de evitar cair em golpes e outros ataques de phishing. Boa leitura!

O que é Blockchain?

Como ressaltamos na introdução, o blockchain é um sistema de rastreamento e envio de transações e ativos de forma online. Resumidamente, pode-se dizer que a tecnologia é um trecho de código que carrega informações conectadas. 

Ou seja, um sistema que permite o funcionamento e transação das chamadas criptomoedas, ou moedas digitais. Ele é um banco de dados, onde as informações sobre as transações das criptomoedas ficam armazenadas em segurança. 

Essa tecnologia, que chamou a atenção em todo mundo, surgiu por volta de 2008, quando  Satoshi Nakamoto (pseudônimo do suposto criador do bitcoin) criou o artigo “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”, onde definiu o conceito para este sistema. 

O Blockchain é acessível a todos os usuários de criptomoedas. Portanto, você pode acessar essa pasta de dados diretamente de seu computador e consultar transações em diversas partes do mundo. 

Mas detalhes de usuários, por exemplo, são criptografados e por isso não podem ser acessados. Assim como as transações realizadas não podem sofrer alterações. 

Para que serve o blockchain?

O objetivo do blockchain  é promover uma tecnologia segura de acesso ao banco de dados, compartilhando diversas informações entre os usuários, com a integridade de dados garantida por uma única fonte. 

Isso elimina a duplicação de dados e aumenta a segurança, evitando fraude e adulteração de informações, já que qualquer tipo de alteração necessita de uma permissão. 

Portanto, o blockchain é uma base de dados onde os computadores acessam informações sobre as transações, de forma rápida e transparente. Com a sua popularização, o sistema se expandiu e além das criptomoedas, passou para outros segmentos, como games, entretenimentos e economia. 

Diversas empresas e fintechs utilizam a facilidade da plataforma para atividades como: 

  • validações de usuários;
  • execução de pagamentos;
  • realização de contratos inteligentes;
  • registros acadêmicos. 

E muito mais.  A tecnologia do blockchain é muito inovadora e por esta razão, o Bitcoin ganhou fama entre os investidores em todo o mundo.

criptomoedasO que são criptomoedas? 

Apesar de pertencer à mesma área financeira e surgir no mesmo período, o blockchain não é a mesma coisa de Bitcoin e outras criptomoedas e sim uma tecnologia que permitiu a criação das mesmas.

O conceito de criptomoeda é de qualquer forma de moeda existente de maneira virtual e digital. Suas transações ocorrem por meio de criptografia, ou seja, é possível realizar o armazenamento e a transmissão de dados com uma codificação avançada.

Porque as criptomoedas não têm uma autoridade central de emissão ou regulação. Assim, elas usam um sistema descentralizado para registrar transações e emitir novas unidades, o chamado blockchain.

Portanto, as criptomoedas não dependem de bancos para a confirmação de suas transações. Seu sistema ponto a ponto permite a qualquer pessoa enviar e receber pagamentos, em qualquer lugar do planeta.

E esses pagamentos em criptomoedas são valores de carteiras digitais em banco de dados online, que documentam as suas transações. Ao transferir fundos de criptomoedas, as transações são registradas no blockchain, como uma movimentação gravada em um livro contábil público.

Como exemplos de criptomoedas podemos citar:

  • Bitcoin: a mais famosa entre os criptoativos, o Bitcoin foi fundado em 2008 e é a primeira criptomoeda negociada no mundo;
  • Litecoin: é semelhante ao Bitcoin,  contudo evoluiu mais rapidamente no mercado graças às suas inovações, como pagamentos e processos mais rápidos;
  • Ethereum: criada em 2015, é a criptomoeda da plataforma blockchain. É a segunda mais popular, perdendo somente para o Bitcoin;
  • Ripple: fundado em 2012, é um sistema de livros distribuídos para rastrear diferentes tipos de transações, não apenas de criptomoedas. 

Como funcionam as criptomoedas?

As transações das criptomoedas são executadas no blockchain, que é o livro público que registra todas as movimentações de criptoativos, de maneira rápida e segura. 

A criação das criptomoedas ocorre na chamada mineração, que envolve cálculos matemáticos e a potência de computação, gerando as moedas. 

Mas os usuários também podem comprá-las por meio de corretoras e armazená-las em carteiras criptográficas para futuras transações. 

Nenhum dos valores é fisico.Com uma chave digital, você pode mover um registro ou uma unidade para outro usuário de maneira direta, sem a necessidade de um intermediário. 

Existente há quase 15 anos, o Bitcoin deu espaço para o surgimento de outras criptomoedas e aplicativos de tecnologia blockchain, que ainda podem crescer bastante no futuro, com transações incluindo títulos, ações e outros ativos financeiros, que podem usar essa tecnologia para futuras negociações. 

O crescimento do mercado de criptomoedas e a ‘sofisticação’ dos riscos

Diante do crescimento do mercado de criptomoedas e do sistema blockchain, os riscos são mais evidentes. Essa expansão atrai cada vez mais usuários, o que torna o cenário mais “sofisticado” e em evidência para os cibercriminosos. 

Apenas nos primeiros dois meses de 2022, mais de 100 mil ataques de phishing para roubar dados de carteiras digitais ocorreram em 200 países 

Por isso, o investimento em cibersegurança é o caminho para evitar prejuízos ao usuário. As transações feitas no blockchain são irreversíveis. Dessa forma, os ativos são alvos fáceis para os cibercriminosos, que procuram formas de roubar as chaves das carteiras digitais para ter acesso às criptomoedas. 

5 dicas para evitar golpes em transações com criptomoedas

Como se pode observar, as transações de criptomoedas têm grande vulnerabilidade, por isso é necessário tomar alguns cuidados básicos para se proteger. 

Muitos cibercriminosos se aproveitam de situações do cotidiano para enganar suas vítimas. Como esses tipos de fraudes já são recorrentes no meio digital, separamos abaixo algumas dicas para ajudar os usuários de criptomoedas a evitar armadilhas e garantir a segurança das suas criptomoedas. Acompanhe!

Invista em sua segurança

Quando você decide ingressar no mundo das transações em criptografia, é preciso em primeiro lugar investir em sua segurança digital. 

Para isso, é fundamental instalar um bom antivírus e sempre mantê-lo atualizado. Assim, é ainda mais importante verificar sempre se a sua conexão é segura, por meio do protocolo HTTPS. E não se esqueça de sempre atualizar os antimalwares de seu computador.

Tenha cautela ao baixar aplicativos

Muito cuidado ao baixar aplicativos, pois eles podem conter softwares maliciosos. Quando encontrar um app de carteira para criptomoedas, busque fontes e desenvolvedores confiáveis antes de fazer o download. 

Verifique se eles apresentam uma boa reputação e se atente ao número de downloads e quais as avaliações dos usuários. 

Fuja de promessas extraordinárias

Ao encontrar grandes vantagens, lucros acima do mercado, excelentes cotações ou conversões sem taxas, desconfie. 

Grande parte das promessas extraordinárias e praticamente impossíveis que achamos de forma online partem de cibercriminosos. Eles se aproveitam da vontade que as pessoas têm de ganhar dinheiro e acabam não se atentando aos detalhes. 

Fique atento às tentativas de phishing

O famoso golpe de usar e-mails falsos com nomes de instituições conhecidas ainda faz muitas vítimas, inclusive no mundo das criptomoedas. 

Nesses conteúdos, os criminosos costumam oferecer segurança, suporte técnica ou ofertas imperdíveis para transações. 

Contudo, eles utilizam malwares que copiam dados e até transferem as criptomoedas para outras carteiras. Então, evite abrir e-mails e só confie na assistência técnica que você conhece ou que tenha feito solicitação. 

Investigue as empresas 

Não importa se você quer guardar ou minorar as criptomoedas, sempre investigue a reputação da empresa que você pretende fazer transações. 

Para isso você pode acessar sites como o BadBitcoin, que tem uma lista pública com mais de 5 mil domínios não confiáveis e que você deve evitar. 

Busque também avaliações em sites e redes sociais sobre as empresas. Em caso de falta de informações, fuja desta opção. 

Conheça a Think IT

Diante de tantos riscos de ataques em transações e falhas de cibersegurança, a Think IT é uma ótima solução para você. Somos uma empresa especializada em oferecer as soluções de TI que o seu negócio precisa. Para isso, ela conta com uma equipe de profissionais capacitados, que estão aptos a oferecer serviços como, por exemplo: 

  • Security;
  • Cloud;
  • Edge Computing;
  • Outsourcing;
  • Data Center;
  • Hardware;
  • E-learning.

Personalização de soluções, alto desempenho, ética e compromisso com nossos clientes são características e valores que prezamos e que nos destacam como referência em serviços de gestão de ambientes de TI. Estamos prontos para atender você remotamente e sanar as suas dúvidas. 

Conclusão

Neste artigo você acompanhou mais informações sobre o mercado das criptomoedas e os riscos da blockchain para a cibersegurança, além de dicas de como se proteger. E buscar especialistas para investir na segurança de suas transações é o melhor caminho para evitar grandes prejuízos. 

Por isso, saiba agora mesmo quais os primeiros passos para proteger os dados da sua empresa e invista na melhor proteção!